quinta-feira, 27 de maio de 2010

MANIFESTO DE APOIO DO TRIBUNAL POPULAR AO ACAMPAMENTO

Manifesto de Apoio do Tribunal Popular ao Acampamento
Revolucionário Indígena

O Tribunal Popular:o Estado Brasileiro no Banco dos Réus vem por meio
deste manifestar, publicamente, todo apoio e solidariedade ao
Acampamento
Revolucionário Indigena instalado desde janeiro de 2010 defronte à
Esplanada dos
Ministérios, em Brasília, e em protesto contra o decreto 7056/09, que
extingue postos e administrações da Funai e anula direitos indígenas.

Condenamos a atitude do Estado Brasileiro em tentar votar às
escondidas na noite de 19 de maio a Emenda 36 da MP 472/09 –
legalizando o Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI),
irregular e ilegal
desde 28 de dezembro de 2010 – na Câmara Federal.

Condenamos porque o CNPI não tem legitimidade alguma frente ao Movimento
Indígena, sendo criado pelo Decreto 7056/09 sobre a estrutura da
antiga Comissão Nacional de Política Indigenista “ presidido pelo
presidente
da Funai, Márcio Meira, e composto por: Executivo, Ongs ligadas à
atual gestão federal e representantes indígenas subordinados aos
interesses da presidência - e é o formulador das diretrizes que vem
penalizando os povos indígenas e servidores da FUNAI, extinguindo
postos e administrações regionais, deixando funcionários sem lotação e
pondo fim a direitos básicos, como o direito à Saúde e à Educação,
entre outros tantos.


O Tribunal Popular se solidariza com os cerca de 250
representantes e lideranças dos povos originários – Guajajara, Krahô,
Xukuru, Guarani Kaiwoa, Pankararu, Atikum, Munduruku e Korubo -
que rumaram para a Câmara dos Deputados pintados para a guerra, e no
interior da Câmara Federal protestaram dançando nos corredores.
Minutos após atenderam a solicitação de um delegado e deixaram arcos,
flexas e bordunas na entrada, passaram a ser viol entamente espancados
por um batalhão de cerca de 100 agentes da Polícia Legislativa da
Câmara.


Condenamos veementemente a atitude do Departamento de Polícia
Legislativa em espancar indígenas e, ainda afirmar que não houve feridos durante o confronto, uma
vez que os agentes não pouparam
mulheres, idosos ou crianças. Pistolas de choque e cassetetes foram
usados contra os indígenas: o líder Korubo –
militante histórico dos direitos dos povos originários – foi chutado
pela polícia legislativa após ser derrubado no chão, tendo quebrado a
perna e perdido um dente. O idoso José Lopes Guajajara – servidor
indígena há 35 anos – foi covardemente atingido por eletrochoque, uma
senhora Guajajara de cerca de 65 anos tomou um golpe de cassetete nas
costas, uma jovem da mesma etnia foi arrastada pelos cabelos e um
rapaz Xukuru teve o lábio rasgado por um murro na boca, entre outros
cerca de 50 indígenas feridos. E a Polícia Legislativa tentou a todo
custo impedir que as Tvs filmassem a Cacica Antonia Guajajara sendo
carregada desfalecida do tumulto –
sem sucesso.


E o Tribunal Popular apoia as lutas indígenas exigindo do Estado
Brasileiro as devidas reparações pelo brutal ataque policial contra indígenas do Acampamento Revolucionário Indígena.


TRIBUNAL POPULAR: O ESTADO BRASILEIRO NO BANCO DOS RÉUS

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse pessoal, que está acampadona Praça dos três Poderes, pensava que podiam fazer, no Congresso, o mesmo que faziam na Funai: invadiam agrediam, chingavam, e nada acontecia. Quebraram a cara, pois, no Congresso, a coisa foi diferente. Tentaram invadir, e quebraram a cara.
Provoca frouxos de risos a afirmação de que o "lider Korubo" é "militante histórico dos direitos dos povos originários" kkkkkkkkkkkkkk!!!! Só rindo mesmo!
Querem reparação de quê? Invadiram, fizeram arruaça,´pensando que estavam na Funai, onde tudo pode? Sifu!
Aposto que os verdadeiros índios não aprovam a baderna desse bando de desocupados.
Vocês já tem a terra, agora é melhor voltar prá ela e começar a trabalhar, p´roduzir, para sustentar a família. Isso, se é que sabem trabalhar.

8 de junho de 2010 06:54
FALTA UM INDIO NO PODER disse...

Na ultima decisão do supremo sobre as terras indigenas SERRA DO SOL, ficou claro que os indios do Brasil não tem na verdade a posse de suas supostas terras. Com mais este decreto nº7.065/2009, ficou claro e notório que o Governo quer mesmo é acabar com os indios do Brasil.
Diantes desses e outro fatos, os Indigenas tem mesmo é que lutar pelo seu direitos constitucionais que o Governo vem desrespeitando cada vez mais. Esse Governo(LULA)não está só, os grande e médios latifundiarios do Brasil e muitos empleiteiros e mais os outros racistas étnicos estão contra nós. Estamos na luta, esta luta é legitima.

15 de junho de 2010 04:45

Postar um comentário