domingo, 1 de agosto de 2010

Sobre desinteresse do Jornal Brasil de Fato em Cobrir o AIR


Caro senhor Navarro:

Meu nome é Murilo Marques Filho e participo do setor de documentação
do Acampamento Indígena Revolucionário, podendo lhe garantir - e
garantir à Agência Brasil de Fato - que o que está escrito na "Carta
Aberta Sobre Suposto Pedido de Propina Feito ao Governo Federal pelo
AIR" não é fruto de má-fé ou, muito menos, impulsionado pelo
"desconhecimento".

O que está escrito é baseado em documentação impressa e audiovisual.
Caso lhe interesse, envio a imagem em vídeo de um membro do CIMI
liderando uma negociação onde é oferecida propina - PROPINA - para que
militantes indígenas abandonem o protesto.

Além disso, há farta documentação apontando fraude na contagem de
indígenas realizada por um membro do CNPI - que já tem denúncia feita
à Polícia Federal pelo AIR, devidamente protocolada, de desvio de mais
de 15 milhões da Saúde Indígena. Esse senhor, membro do conselho
presidido por Márcio Meira, protegido pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI), é apontado por indígenas como responsável por mortes e assassinatos em sua região, sendo muito temido.

Interessante saber que, na negociação sobre a devolução dos pertences
roubados dos indígenas pelo GDF e Polícia Federal na operação policial
realizada contra o Acampamento Indígena Revolucionário (AIR) realizada
no dia 10 de julho de 2010, o citado membro da Conselho Nacional de
Política Indigenista é apontado pelo Gabinete do Ministro da Justiça
como "o único representante legítimo" de sua etnia - dando, em um
gesto do mais autêntico cinismo institucional, um violento e covarde
tapa na cara de Caciques e Lideranças de mais de 28 aldeias e
comunidades da referida etnia - que chegaram em Brasília há meses para
pedir, além da exoneração de Márcio Meira e a Revogação do Decreto
7056/09, a destituição imediata desse senhor do CNPI.

O pedido de destituição desse cidadão está protocolado há vários meses
na Funai (Ministério da Justiça) e no Ministério da Saúde, mas até
hoje nenhuma autoridade retornou ou se dispôs a discutir o mérito do
pedido. Passados sete meses do protesto instalado na Esplanada dos
Ministérios, esse senhor - político de carreira, acusado de roubar dos
índios para se eleger entre os brancos - está tão "imexível" no CNPI
quanto o nefasto Márcio Meira, presidente da República do Açaí.

O gesto venal do Gabinete do Ministério da Justiça, desconsiderando a
reivindicação do AIR, é um golpe ainda mais baixo, covarde e vil
quando se sabe que estão acampados na Esplanada dos Ministérios,
lutando contra o Cinismo Institucional e o Etnocídio de Estado, a
viúva e o filho de um Cacique assassinado supostamente a mando desse
membro do CNPI.

Percebe-se, quando se tem ciência que o Gabinete do Ministro da
Justiça é assessorado pela Inteligência da Polícia Federal e demais
órgãos de informação estatais, que o Gabinete do Ministro da Justiça -
a mando do Gabinete da Presidência da República (CIMI) e assessorado
por forças policiais e para-policias do Governo do Distrito Federal e
do Estado Brasileiro- abraça abertamente o banditismo e persegue
implacável e inescrupulosamente - sem qualquer espécie de freio legal
ou moral - aqueles que vieram à Brasília para exigir que seja cumprida
a Constituição Brasileira no tocante à questão indígena - enfrentando,
para isso, todo o tipo de violências e privações.

Sabemos bem que o Conselho Indígena Missionário é colaborador habitual
do jornal Brasil de Fato e acreditamos que, ao longo dos anos,
desenvolveu-se uma relação de amizade e colaboração próxima e
fraternal entre os membros da Ong missionária e os da agência de
notícias. Compreedemos bem.

Entendemos também que, caso a Agência Brasil de Fato pretende manter a
sua credibilidade e isenção, precisa apurar se há alguma centelha de
verdade nas informações - "acusações" - que vem sendo veiculadas pela
AIR, exaustivamente documentadas pelo setor de documentação do
Acampamento Indígena Revolucionário.

Caso a Agência Brasil de Fato, por questões sentimentais ou de outra
ordem, de posse dessas informações, decida que "o interesse em cobrir
o Acampamento Indígena Revolucionário seja praticamente nulo", se
omitindo a apurar o que está sendo denunciado há meses, a coerência
aconselha a mudar o nome do jornal para "Brasil Suposto" ou "Brasil
Imaginário".

Atenciosamente,
Murilo Marques Fillho

PS: Talvez o senhor não entenda, pois para quem não vive na carne o
cotidiano do AIR é difícil dar conta do tamanho da brutal articulação
institucional e para-institucional para desarticular o Acampamento
Indígena Revolucionário, mas os citados documentos audiovisuais ou
textuais NÃO SE ENCONTRAM em minha posse, estando em LOCAL SEGURO, em
mãos de terceiros.

Porém, interessando em apurar se há algum fato concreto nas denúncias
apresentadas pelo AIR, esses documentos chegarão nas mãos dos
interessados em menos de 48 horas.

PS 2: Para a manutenção da credibilidade da Agência Brasil de Fato é
bom que "o interesse praticamente nulo" se transforme em algum
interesse - e que se apure, documente e divulgue - pois esse e-mail
tem cópia oculta para mais de 5 mil pessoas que, com certeza, irão
repassar.

A partir de hoje não é mais o Brasil de Fato que está cobrindo o país,
é o Brasil que está de olho no Brasil de Fato.

Ânimo e Impessoalidade,
Catuaba para os Desanimados,
Abraços e Boa Sorte no Trabalho,



Marisa,

Eu não estou em Brasília, estive até ontem. Mas posso dizer que a
"CARTA ABERTA DO AIR SOBRE O SUPOSTO PEDIDO DE PROPINA FEITO AO
GOVERNO FEDERAL PELO ACAMPAMENTO INDÍGENA REVOLUCIONÁRIO", por má-fé
ou desconhecimento, faz acusações indevidas contra o Conselho
Indigenista Missionário. Este fato torna, por hora, meu interesse em
cobrir o acampamento revolucionário indígena praticamente nulo.

Obrigado por encaminhar a pauta
Sem mais,
Cristiano Navarro
Agência Brasil de Fato

2 comentários:

Anônimo disse...

As criticas e autocriticas, fazem parte da liberdade de imprensa para construir uma nação livre e independente. Eu, como cacique Korubo do acampamento revolucionario, sou criticado para construir uma nova visao politica da presidencia do palacio do planalto, assim todos nós devemos estar preparados para recebe-las com a sabedoria do grande espirito.

obrigo por sua atenção

12 de agosto de 2010 07:37
Acampamento Indigena disse...

VIVA KORUBO!!!!

24 de novembro de 2010 04:49

Postar um comentário